Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

quarta-feira, 16 de abril de 2014

ASSASSINATO DA PÁSCOA

Por Adiel Teófilo.

Qual é o verdadeiro significado da Páscoa? O que ovos de chocolate e coelhinhos têm a ver com a Páscoa Bíblica? Saiba que não se trata de mera ocasião para se empanturrar com guloseimas de chocolate, mas nos remete a um passado marcado pela trágica contradição entre morte e libertação, entre sacrifício e salvação.

Os filhos de Israel habitaram no Egito por quatrocentos e trinta anos (Êxodo 12.40), onde se multiplicaram grandemente. Os egípcios escravizaram os israelitas e os fizeram amargar a vida com dura servidão, em trabalhos forçados produzindo tijolos e nos serviços do campo (Êxodo 1.14).

Deus viu a aflição e ouviu o clamor do seu povo. Por isso, designou Moisés para livrá-los da servidão no Egito e conduzi-los a uma terra boa e ampla, que mana leite e mel (Êxodo 3.7-10). Moisés então manifestou a vontade de Deus a Faraó, que assim respondeu: “Quem é o SENHOR para que lhe ouça eu a voz, e deixe ir a Israel? Não conheço o SENHOR, nem tampouco deixarei ir a Israel” (Êxodo 5.1.2).

Essa oposição custou muito caro a Faraó. Deus livrou a Cidade de Gósen onde estavam os filhos de Israel e lançou sobre o Egito as dez pragas: 1) as águas se tornaram em sangue; 2) a terra ficou infestada de rãs; 3) os homens e o gado ficaram cheios de piolhos; 4) enxames de moscas; 5) peste que matou os rebanhos; 6) úlceras nos homens e nos animais; 7) chuva de pedras que destruiu animais e plantações; 8) gafanhotos que consumiram a erva do campo e o fruto das árvores; 9) densas trevas por três dias; e, 10) a terrível morte dos primogênitos dos egípcios (Êxodo 7-11).

Na mesma noite em que ocorreu a morte dos primogênitos, o SENHOR instituiu a Páscoa, festa sagrada, que marca como estatuto perpétuo, por todas as gerações, a libertação dos filhos de Israel da servidão no Egito. O SENHOR ordenou que cada família tomasse um cordeiro sem defeito, macho de um ano, cujo sangue deveria ser passado nas ombreiras e verga das portas, como sinal, para livrar da morte os primogênitos dos israelitas. A carne era para ser comida assada no fogo, com pães sem fermento e ervas amargas. “Desta maneira o comereis: lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão; comê-lo-eis às pressas: é a páscoa do SENHOR” (Êxodo 12.11).    

E assim, à meia-noite, o SENHOR feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o filho de Faraó até os animais no campo. Houve grande clamor, pois não havia casa em que não houvesse morto. Diante disso, Faraó ordenou que os filhos de Israel deixassem a terra do Egito, levando consigo o rebanho, apressando-os para sair, porque temiam que todos os egípcios morressem (Êxodo 12.29-33). Esta é, pois, a Páscoa dos filhos de Israel, cuja libertação foi marcada pela trágica morte dos primogênitos dos egípcios.

O cordeiro que foi sacrificado na Páscoa é símbolo do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo: JESUS CRISTO (João 1.29). Ele é o Unigênito de DEUS, que foi morto na cruz do calvário, cujo sangue foi derramado para livrar a humanidade das consequências do pecado. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 6.23). Portanto, aquele que crê em CRISTO e o confessa como SENHOR e SALVADOR, não sofrerá a condenação do pecado, “porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (I Coríntios 5.7).

Enfim, o real sentido da Páscoa é a libertação da escravidão do pecado, que tanto aflige a humanidade, bem mais que as aflições que os israelitas sofreram no Egito. E aquele que experimenta a libertação em CRISTO sabe o quanto vale o privilégio da liberdade, porque “se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (João 8.36). Há, quanto aos ovos de chocolate e os coelhinhos, estes sim, como estratégias de consumo numa sociedade globalizada, estão assassinando o verdadeiro sentido da Páscoa!