Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

ORAR E AGIR, PARA MUDAR AS CIRCUNSTÂNCIAS

Por Adiel Teófilo.

Se fosse necessário apenas orar, e não agir, para mudar a condição dos pecadores que não conhecem a Cristo, não seria preciso sair pelo mundo fazendo discípulos de todas as nações. Bastaria orar por todos que eles se converteriam ao Evangelho de Jesus. “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lucas 24.49).

Se fosse necessário apenas falar, e não agir, para que a iniquidade fosse tirada do lugar de adoração, o Senhor Jesus não teria usado um chicote de cordas para expulsar os que vendiam e compravam no templo, e não teria derrubado as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. “E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora do templo, também os bois e ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambistas, e derribou as mesas” (João 2.15). “E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões” (Mateus 21.13).

Se fosse necessário apenas ter fé, e não fazer nada, para testemunhar que somos filhos de Deus, não seria preciso amar e nem ajudar o próximo. Bastaria crer em Cristo que a fé seria vivificada. “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2.10). “Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo?” (Tiago 2.14). “Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta” (Tiago 2.26).

Se fosse necessário apenas orar, e não fazer nada, para não cair em tentação, não seria preciso ser sóbrio e nem vigilante no cotidiano. Bastaria pedir ao Pai que nos livrasse do mal e estaríamos a salvo de tudo. “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mateus 26.41). “E já está próximo o fim de todas as coisas; portanto sede sóbrios e vigiai em oração” (I Pedro 4.7).

Portanto, precisamos orar em todo o tempo, e agir sempre que for necessário. Porque “A mão dos diligentes dominará, mas os negligentes serão tributários” (Provérbios 12.24).