Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

sábado, 6 de junho de 2009

A IMPORTÂNCIA DA CRIATIVIDADE NO ENSINO BÍBLICO


INTRODUÇÃO
- Criatividade: “S. f. 1. Qualidade de criativo. 2. Capacidade criadora; engenho, inventividade. - Criativo: Adj. Criador: imaginação criativa. - Criação: S. f. 1. Ato ou efeito de criar: a criação do mundo. ... 4. Invenção, elaboração. 5. Obra, invento, produção.” (in Novo Dicionário Aurélio).

- DEUS é criador e criativo e capacita servos com criatividade. “Disse mais o Senhor a Moisés: Eis que chamei pelo nome a Bezalel, ... e o enchi do Espírito de Deus, de habilidade, de inteligência, e de conhecimento, em todo artifício, para elaborar desenhos e trabalhar em ouro, em prata, em bronze, para lapidação de pedras de engaste, para entalho de madeira, para toda a sorte de lavores (trabalhos manuais)” (Ex 31.1-5).

- A Inovação, novidade, desperta a curiosidade e o interesse do ouvinte.

- Importância da Criatividade: ressaltada mediante sua aplicação aos métodos de ensino e ao processo de aprendizagem desenvolvido na Escola Bíblica Dominical.

- Finalidades:
a) aprimorar a qualidade do ensino cristão;
b) envolver os ouvintes através de métodos criativos; e,
c) tornar mais eficiente o processo de ensino-aprendizagem.


I – USO DA VOZ
1) A voz é poderoso instrumento de comunicação.
2) CONTEÚDO (o que falar / transmitir) + FORMA (como falar /comunicar)
     Ex: Uma boa história (Bíblica) + bem contada (uso criativo da voz) = ARTE
3) Aspectos no uso da voz:
     a) Tom = Altura de um som: tom agudo; tom grave.
     b) Intensidade (volume) = (Estudos de Linguagem) O maior grau de força expiratória com  que o som da fala é proferido.
     c) Ritmo (velocidade) = Movimento ou ruído que se repete, no tempo.
4) Uso criativo: variações de tom, intensidade e ritmo; Ênfase em alguns sons ou palavras; transmissão de sentimentos, idéias ou pensamentos adequados ao conteúdo.
5) Uso correto da voz (adaptar de pregação para ensino).


II – USO DE ESQUEMAS E RESUMOS
1) A importância da clareza sem perder a concisão e a objetividade.
     Ex: fotografia / flash
2) Finalidades:
     a) descomplicar o complicado;
     b) facilitar o entendimento sobre o assunto;
     c) propiciar uma visão geral do conteúdo; e,
     d) auxiliar no processo de memorização.
3) Criação de esquemas, diagramas, quadros, tabelas, chaves, sínteses, resumos, sinopses.
4) A criatividade como meio de simplificação, atratividade e facilitação do ensino.

III – USO DE FIGURAS E ILUSTRAÇÕES
1) Ressaltar, reforçar, evidenciar, parte ou aspecto relevante do conteúdo.
2) Criação de reforço, ênfase, do significado no próprio significante.
     a) Significante (corresponde à forma, símbolo): A parte fônica, ou imagem acústica, de um fonema provido de significação.
     b) Significado (corresponde ao conceito ou à noção) - Significado lexical: Aquele que se estabelece em relação ao mundo biossocial.
           Ex: 1. Palavras: criatividade = criar + atividade; oração = orar + ação; negócio = negar + ócio;
2. Desenhos: Santo; Diabo; Amor; Alegre; Triste.
3) A representatividade / expressividade de desenhos e figuras.
     Ex: cruz; Cristo; Diabo; Igreja; Monte; Céu; Casa; Trindade.
4) A criatividade como instrumento na criação e uso de desenhos, símbolos, figuras, mapas e
ilustrações relacionadas ao conteúdo.


IV – MÉTODOS DE ENSINO CRIATIVOS
- Surpreender o ouvinte pela inovação e variação de métodos.
- Imitar o Mestre Jesus, pois usou, dentre outros, os seguintes métodos em Seu ministério de ensino:
1)  Solucionando problemas (Mc 10.17-22 - Jovem rico) Conduzir à reflexão; fazer o ouvinte entender e aplicar o ensino.
2) Perguntas (Mais de 100 perguntas nos Evangelhos) Compelir o ouvinte a pensar e buscar a verdade sobre o assunto.
3) Parábolas (Jo 10.1-21 - O Bom Pastor; Jo 15.1-10 – A Videira Verdadeira) ilustrar a verdade espiritual com situações comuns e cotidianas.
4) Exemplos concretos e literais (Mt 6.26-34 - Aves do céu, lírios do campo) Aplicação direta do ensino; empregar o concreto para ensinar verdades abstratas como confiança, grandeza, hospitalidade, discipulado.
5) Símbolos (Mt 26.17-30; Jo 13.1-20) Emprego de símbolos, como a Páscoa antes da morte de Cristo e o lavar pés dos discípulos, para ensinar grandes lições: Nova Aliança no Sangue do Cordeiro – Purificação, humildade e serviço.

V – A CRIATIVIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM
- Criar ambiente favorável ao surgimento de novas idéias (criatividade do aluno).
- Aprimorar a interação entre aluno e professor.
   (conhecer o processo de aprendizagem)

CONCLUSÃO
- A criatividade deve ser grande aliada do ensinador cristão.
“Porque o SENHOR dá a sabedoria, da sua boca vem a inteligência e o entendimento.” (Pv 2.6).
                                                                   Adiel Teófilo