Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

terça-feira, 24 de abril de 2012

EVANGELHO DO JEITINHO

A Palavra de Deus é imutável e permanece para sempre (I Pedro 1.25), contudo há quem busca um jeitinho de amoldá-la ao seu modo de pensar e agir. A expressão jeitinho, no sentido mais comum, refere-se à violação de convenções sociais, alternativa para driblar normas legais ou qualquer artifício de validade ética duvidosa. Trata-se na verdade de prática enganosa, bastante comum em nossos dias, que está fortemente arraigada entre os obstinados que querem levar vantagem em tudo. É fruto da iniquidade e tem se multiplicado nesse tempo do fim (Mateus 24.12).

Esse mau comportamento vem influenciando negativamente muitos cristãos, que se recusam a submeter seus pensamentos e maneira de viver aos preceitos Bíblicos. Chegam ao cúmulo de acreditar que o Corpo de Cristo deve tolerar diversas práticas que são condenadas pelas Escrituras. Mas o Senhor nos alerta: O que usa de engano não ficará dentro da minha casa; o que fala mentiras não estará firme perante os meus olhos. Pela manhã destruirei todos os ímpios da terra, para desarraigar da cidade do Senhor todos os que praticam a iniquidade” (Salmo 101.7-8).

Nessa cultura de tolerância e omissão, disseminam a falácia de que não se pode dizer certas verdades. Usam a premissa de que não se deve julgar seu irmão nem se levantar contra o ungido do Senhor.  Ora, julgar é decidir como juiz, entretanto, repreender quem pecou contra ti é orientação do próprio Senhor Jesus Cristo, conforme Mateus 18.15-20, que estabelece três instâncias: repreensão pessoal, na presença de duas ou três testemunhas e perante a igreja. Além disso, "Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto" (Provérbios 27.5).

Esse evangelho do jeitinho vem admitindo também as chamadas mentirinhas. Há cristão que acha isso normal e não vê problema quando a finalidade é alcançar alguma vantagem, como se o fim humanamente proveitoso justificasse o meio diabólico da mentirinha.  Sabe-se que o diabo é mentiroso e pai da mentira (João 8.44), logo esse meio antiético não poderá ter outra paternidade. Por isso é bom recordar o que disse Jesus: "Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna" (Mateus 5.37).

Além disso, muitos têm apenas a aparência de piedosos. São avarentos, presunçosos, soberbos, obstinados, orgulhosos e mais amigos dos deleites do que de Deus, negando assim a eficácia da piedade. “Destes afasta-te” (II Timóteo 3.1-5). E não se misture a essa Babilônia moderna da decadência moral, mas "Saí do meio dela, ó povo meu, e livrai cada um a sua alma do ardor da ira do Senhor" (Jeremias 51.45). Outra vez diz: “Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas" (Apocalipse 18.4).

Por outro lado, o cristão autêntico não se conforma com o jeito mundano nem se cala diante de tudo que é contrário à Palavra de Deus. “E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as. Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe” (Efésios 5.11-12). Aliás, o cristão diz sempre a verdade e aponta o caminho que liberta do engano. A vontade de Deus é "que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade" (I Timóteo 2.4), todavia a porta é estreita e o caminho apertado que conduz à vida (Mateus 7.13-14), não existindo jeitinho para alcançar a salvação a não ser renunciando a si mesmo e seguindo os passos de Jesus (Mateus 16.24).

Dessa forma, quem quer seguir a Cristo não se prende a jugo desigual com os gananciosos e infiéis.  Porquanto, está firmado na convicção de que não há sociedade entre a justiça do Reino de Deus e as tramoias e conchavos desse mundo, não há comunhão da luz do Evangelho com as trevas dessa geração corrompida e perversa, e nem há consenso entre o templo do Deus vivente e os ídolos inertes dos homens. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei” (II Coríntios 6.17). E assim, de que maneira você pratica o Evangelho, ao modo que Cristo ensinou ou do seu jeitinho?          Adiel Teófilo