Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

É TEMPO DE MALHAR O TRIGO NO LAGAR

“O reconhecimento por parte do homem de um bem supremo e do seu anseio por uma moral superior, indicam a existência de um Deus que pode converter esse ideal em realidade.” Emanuel Kant. Filósofo.

A necessidade de proteger os bens materiais, a fim de não serem saqueados pelas mãos dos adversários, faz surgir formas de proteção muito criativas e interessantes. Foi o que aconteceu com Gideão, juiz da nação de Israel, que atuou  entre os anos de 1162 e 1122 a.C. Agiu com sabedoria e destreza, apesar da voracidade dos Midianitas, povo primitivo que se deslocava em multidão da península do Sinai em direção ao território de Israel, saqueando todo o fruto da terra e animais do campo no tempo da sega.

Visando defender a colheita, Gideão conduziu-se ao lagar, local destinado a esmagar as uvas e produzir seus derivados. E assim, passou a debulhar o trigo, malhando-o longe do alcance das vistas dos midianitas, que eram os autênticos piratas daquelas terras.

Conta-nos ainda a Bíblia Sagrada, no Livro dos Juízes, que o Senhor Deus reputou Gideão por “varão valoroso”, em razão de sua formidável estratégia. Desse modo, foi convocado pelo Senhor  para liderar a vitoriosa peleja que eliminou aqueles salteadores dos campos israelitas.

Nos dias atuais a necessidade é a mesma, muito embora sejam outros os ladrões e o modo de agir às vezes um pouco diferente. Há bens e valores imateriais que precisam ser defendidos, a todo custo, com as melhores estratégias possíveis, ainda que os saqueadores sejam em maior número e aparentemente obtenham maior vantagem.

Agindo solitariamente, Gideão alcançou a aprovação de Deus, pois defendia com todo esforço a preciosa semente, garantindo o sustento material para si e a sua casa. Este exemplo de bravura deve ser imitado. E assim, na defesa do que é justo e correto, nenhum esforço é inútil, ainda que seja necessário entrar na trincheira da irresignação e da indignação pessoal, diante do mau caráter e do mal feito que grassam na sociedade.

A virtude triunfará enfim sobre toda maldade e será ovacionada nas praças e outeiros. A corrupção, a mentira e a fraude, perpetradas pelos modernos corsários da desonestidade, hão de sucumbir um dia, em face da solitária atuação de Gideões tão valorosos, que às ocultas da grande massa e da mídia lutam em prol da integridade ética e moral. Por enquanto, é tempo de malhar o trigo no lagar.

Adiel Teofilo