Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

IGREJAS E SUAS PATOLOGIAS

Por Adiel Teófilo.

 Veja as 10 patologias que podem afetar gravemente a saúde das igrejas na atualidade.

"Porventura não há bálsamo em Gileade? Ou não há lá médico? Por que, pois, não se realizou a cura da filha do meu povo?" (Jeremias 8.22)

1) Envolvimento com política partidária: receber político no altar durante os cultos, fazer campanha pedindo o voto dos fiéis, manifestar-se em jornais, revistas, rádio ou televisão, sem autorização no Estatuto ou Regimento Interno, ou sem consultar os membros, para saber se concordam e aceitam as opções políticas da liderança usando o nome da igreja.

2) Recebimento de vantagens pessoais: receber, em contrapartida ao apoio político, cargos na administração pública ou no legislativo, dentre outras vantagens pessoais, para os quais o dirigente indica familiares, amigos ou religiosos que recebem renda eclesiástica, sem dar qualquer satisfação aos membros sobre essas vantagens.

3) Obtenção ilícita de recursos: apropriar-se de recursos financeiros da igreja utilizando notas fiscais superfaturadas, recibos de despesas não comprovadas, ou mediante gastos não autorizados que beneficiam o próprio dirigente ou pessoa da sua família.

4) Recebimento de prebenda desproporcional: retirar valores exagerados como renda eclesiástica mensal, aproveitando-se da falta de limite estabelecido no Estatuto ou Regimento Interno, sem destinar recursos para as finalidades essenciais da igreja previstas no Estatuto.

5) Aquisição irregular de bens: registrar em nome do próprio dirigente os bens que deveriam constar em nome da igreja, como se fossem adquiridos com recursos pessoais, demonstrando completa confusão entre o patrimônio da igreja e o particular.

6) Falta de transparência na administração: ocultar a movimentação financeira e patrimonial,  não prestar contas regularmente, impedir o acesso dos membros ao movimento detalhado da receita e despesa mensal, ou tratar com antipatia, menosprezo ou hostilidade qualquer iniciativa de consulta aos registros financeiros.

7 Nepotismo religioso: privilegiar familiares nas consagrações eclesiásticas, destinar a eles cargos ou funções administrativas recebendo salário da igreja, sem respeitar critérios definidos no Estatuto ou Regimento Interno, ou sem consultar os membros quando não há previsão de critérios.

8) Supressão de processo eleitoral: deixar de realizar eleição para cargos com tempo de mandato definido no Estatuto ou Regimento Interno, designar pessoas para certas funções sem respeitar o processo eleitoral interno, ou permanecer indefinidamente em cargos e funções eletivas sem consultar os membros.

9) Burla de eleição: atentar contra a lisura, transparência e liberdade das eleições, ao impedir o voto direto e secreto dos membros, fazer rodízio entre si nos cargos de diretoria sem realizar eleição, permitir o voto de quem não cumpre requisitos para favorecer certo candidato, ou consagrar ministros religiosos para aumentar os votos a favor de candidato em convenção.

10) Abusos da função eclesiástica: designar familiares ou amigos para dirigir igreja com maior renda ou melhor situação geográfica, destituir dirigente de congregação por não aceitar as imposições políticas ou arbitrariedades da liderança, hostilizar ministro religioso ou membro por discordar de decisão administrativa, agir com autoritarismo excluindo membro para ocultar interesses desleais ou desonestos, ou fazer mal uso de qualquer das atribuições ou prerrogativas previstas no Estatuto ou Regimento Interno da igreja.