Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

CRISTIANISMO DA COERÊNCIA

Por Adiel Teófilo.

1 - O verdadeiro cristão deve ter atitudes corretas, segundo a Palavra de Deus, porém não pode agir impulsionado por motivações equivocadas.

É correto biblicamente, por exemplo, contribuir financeiramente para o Reino de Deus com dízimos e ofertas, entretanto não se deve fazê-lo simplesmente por medo do devorador, por receio de perder todos os bens, ou para mostrar aos outros a generosidade, ou ainda, movido pela intenção de ganhar em troca muito dinheiro e enriquecer, como se fosse possível ao homem barganhar com Deus. Não basta a boa ação, é necessário também ter boa intenção. O sacrifício dos ímpios já é abominação; quanto mais oferecendo-o com má intenção!” (Provérbios 21.27). É preciso contribuir, mas com gratidão, amor e fidelidade ao Senhor. “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da lei, a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas cousas, sem omitir aquelas” (Mateus 23.23).

2 - O cristão sincero não pode ter atitudes incorretas, contrárias à Bíblia Sagrada, ainda que as suas motivações sejam aparentemente muito boas.  

Não há base bíblica, por exemplo, para ungir com óleo os veículos, objetos ou imóveis, ainda que a intenção seja mesmo de consagrá-los ou dedicá-los ao Senhor. Ademais, a verdadeira consagração se faz mediante o uso de todas as coisas com gratidão perante o Senhor, e para a glória de Deus diante dos homens. A unção no Antigo Testamento destinava-se principalmente aos reis e sacerdotes, o que não se faz mais necessário na Nova Aliança no Sangue do Cordeiro de Deus. Porquanto, atualmente serve apenas para os enfermos. “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados” (Tiago 5.14-15).

3 - O cristão autêntico deve invocar sempre o nome do Senhor, todavia as suas práticas não podem contrariar as doutrinas da Palavra de Deus.

As Escrituras nos mostram que devemos adorar ao Senhor Deus e somente a Ele prestar culto. Contudo, não adianta cultuar a Deus com palavras de exaltação, dança ou gestual eufórico, se a conduta no cotidiano está orientada por ensino de homens, que em nome da liberdade e dos prazeres terrenos e carnais admite toda espécie de pecados condenados pela Bíblia Sagrada. “Respondeu-lhes: Bem profetizou Isaías, a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Marcos 7.6-7). É preciso exaltar ao Senhor com palavras, mas também adorá-lO com atitudes sinceras, estribadas nos mandamentos do Senhor Jesus, as quais em silêncio pregam bem mais eloquentes que mil palavras isoladas de qualquer bom exemplo.
 
Portanto, a prática do cristianismo somente se completa e se revela conforme os preceitos das Escrituras, quando há justa coerência entre a ação e a motivação, quando há perfeita harmonia entre as palavras e as atitudes daquele que se propõe a seguir ao Senhor Cristo Jesus. “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vós tornareis meus discípulos. [...] Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando” (João 15.8 e 14).