Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

terça-feira, 3 de setembro de 2013

A IGREJA EVANGÉLICA BRASILEIRA ESTÁ DOENTE.

Por Juber Donizete Gonçalves.
 
A igreja evangélica brasileira está doente. É uma situação paradoxal, pois ela cresce e nunca teve tanto poder político, midiático e financeiro como agora. Porém, assim como a igreja de Laodicéia, está pobre, nu e cega do ponto de vista espiritual. Mas alguém diria: "Que exagero! Nós temos rádios, canais de televisão, representantes políticos, construímos grandes e lindas catedrais!" 
 
Quem já leu o livro “O Bispo”, a biografia de Edir Macedo, percebe que o padrão estabelecido hoje como um líder religioso de sucesso é o do “manda-chuva” da IURD. Nesse livro, se vê Macedo como um líder denominacional, que comanda não uma igreja, mas sim uma grande empresa multinacional. Ele é o modelo de líder de sucesso. Aviões particulares caros, motoristas, seguranças, mansões, como a da cidade de São José dos Campos em São Paulo, mostrada na Revista Veja no ano de 2007. 
 
Isto se estabeleceu de tal modo, que o sonho de muitos pastores é ser Bispo, Apóstolo, Pastor-Presidente e andar acompanhado de vários seguranças. Nos últimos anos, o tom das denúncias contra as lideranças evangélicas vem subindo de forma assustadora, com acusações fortíssimas, tais como: aquisição de imóveis luxuosos em outros países, casamentos de fachada, casos extra-conjugais, lavagem de dinheiro, líder que manda bater e até matar quem vê como rival.
 
A verdade é que os católicos tem um papa no mundo, mas os evangélicos têm vários papas e candidatos a papa. Por falar em papa, conta-se que o papa Inocêncio IV mandou chamar São Tomás de Aquino para lhe mostrar todos os tesouros da igreja romana. Após a exposição de sua riqueza, disse-lhe o papa: “Já não podemos dizer como o apóstolo Pedro, que não temos ouro e nem prata”, ao que lhe replicou o teólogo: “Também já não podemos ordenar ao paralítico para que se levante e ande”. 
 
De vez em quando ouço alguém perguntar: O que Jesus diria hoje, com respeito à situação da igreja? Esta pergunta já está respondida no livro do Apocalipse! É só observar o que Ele diz às igrejas da Ásia, que assim foram repreendidas: “Estou a ponto de vomitar-te da minha boca” (Ap 3.16); “Tirarei o seu castiçal do lugar, caso não voltes ao primeiro amor” (Ap 2.5); “Combaterei os que assim procedem, com a espada da minha boca” (Ap 2.16).
 
Fonte Cristianismo Radical.