Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O PAPA FRANCISCO ERROU: MUITO CARISMA E POUCA MUDANÇA

Por Abner Ferreira
 
“Bem- aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova”. (Romanos 14.22)
 
Na postagem anterior, falei sobre a manifestação das “vadias” que vilipendiaram objetos religiosos em plena avenida durante a visita do papa Francisco e não receberam qualquer punição. Pois bem, isto é fato, assim como é fato que não acredito na proposta do papa como reformista católico, por não acreditar que ele tenha a intenção de converter a instituição ao qual preside em uma igreja cristocêntrica. É isto: não existe reforma na Igreja Católica até que haja uma reforma teológica de seus ensinos e práticas. Mas isso não é nenhuma novidade, há anos segue-se a linha do liberalismo teológico na instituição.
 
E enquanto analistas afirmam que a proximidade da liderança católica com o povo poderá mudar a linha de crescimento religioso, tirando os evangélicos da ponta, como os que mais crescem no país, eu avalio que enquanto a Igreja Católica seguir esta linha teológica estará fadada ao fracasso.
 
Antes que prossiga: os leitores — católicos, evangélicos, agnósticos, ateus etc. — conhecem a minha opinião: O que não está na Bíblia, cristianismo não é. E ponto! Pode parecer tautológico, mas igreja cristã só é cristã se seguir os ensinamentos de Cristo, coisa que há tempos a Igreja Católica não faz. Começando pela própria leitura da Bíblia, os líderes católicos não motivam os fiéis a lerem o Livro Sagrada.
 
Vamos ver: alguém pode ser, por exemplo, espirita e não acreditar nas doutrinas de Alan Kardec. Mas, por outro lado, nenhum kardecista pode declarar-se discípulo de Alan Kardec se não estuda seus ensinamentos. Ou: alguém pode declarar-se do Islã sem ler o Alcorão? Ou ainda: alguém pode declarar-se budista sem acreditar em Buda? Logo, alguém que se declara cristão e não segue os ensinamentos de Cristo, pode até ser católico, mas não cristão. Destaco alguns das dezenas de ensinos que careceriam de uma mudança urgente para a Igreja Católica voltar a ser uma Igreja Cristocêntrica:
 
A Mediação
Sim, é aceitável que o pontífice católico tem carisma e uma humildade que não se vê entre muitos, mas isso não muda nada, pois quando os valores morais da igreja são confrontados com os ensinamentos da Bíblia torna-se nula qualquer ato de caridade ou bondade. Volto ao ponto.
Maria, como dizem os líderes católicos, não tem qualquer função de mediação entre o homem e Deus. A Bíblia é bem clara: “há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1 Timóteo 2.5).
 
É evidente que o papa é um representante de uma instituição, mas não a expressão necessária da vontade de cada católico ou de milhares deles. Mas não se concebe, uma vez que a ideologia da igreja torna-se herege, que as pessoas sejam obrigadas a continuar no erro porque o papa não tem coragem de dizer que isso ou aquilo é errado.
 
A homossexualidade é pecado
Por exemplo, a questão gay, talvez a mais debatida nos últimos anos entre líderes de diversas crenças. Não se concebe que o líder católico titubeie sobre o tema por não ter coragem de contrariar – neste caso não a maioria, mas a minoria – para não queimar o filme: a prática homossexual é pecado. Não tem conversa! A Bíblia é clara: “Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro” (Romanos 1:26-27).
 
Assim, que fique claro: A Bíblia é o manual dos cristãos e sendo assim, o que ela diz que é pecado, é pecado. Ninguém representa, sozinho, o cristianismo. O obvio: o cristianismo é Cristo e Ele mesmo se representa pela Sua Palavra.
 
Minha intenção não é criar polêmica porque essa não é a meu propósito. Mas fazer apologia, esclarecendo o que é e o que não é cristianismo. Nem tenho a intenção de apontar os erros e acertos do papa, pois no meu ponto de vista ele já está errado por permanecer em práticas anti bíblicas e instruir os fiéis a seguir suas práticas. Mas como líder cristão que sou, devo alertar para as heresias nos ensinamentos católicos. Repito: igreja cristocêntrica segue Cristo, não outro líder.
 
A Idolatria e o culto a imagens
Quanto ao culto a imagens não precisava citar mais de um versículo da Bíblia, apenas este: “Não fareis para vós ídolos, nem vos levantareis imagem de escultura, nem estátua, nem poreis pedra figurada na vossa terra, para inclinar-vos a ela; porque eu sou o SENHOR vosso Deus.” (Levítico 26.1). Quer mais: “Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.” (Mateus 4.10).
 
Quem sabe ler direitinho já entendeu que a frase “não fareis para vós ídolos” é essencialmente um mandamento contra a idolatria. Não só a idolatria a imagens – prática comum entre os católicos – mas a adoração a personalidades, a pessoas, a artistas, a líderes religiosos, etc.
No que concerne à mera encarnação da vontade dos indivíduos, querendo o povo ou não, adoração de imagens é pecado condenado pela Bíblia e a adoração a outro que não seja Deus é condenada por Cristo.
 
O Purgatório
Por fim, o falso ensinamento de que existe uma “segunda chance”, pós-morte, para os indivíduos que não forem salvos, é mais um falso ensinamento que deve ser rejeitado por Francisco se ele deseja realmente converter o catolicismo em uma crença cristocêntrica.
 
Por mais chocante e estúpido que seja um conteúdo ou outro – e me refiro a todos, já que os citados aqui são apenas alguns – não existe maior arrepio do que este: a esperança de que o pecador pode permanecer no pecado pois terá uma segunda chance após a morte. Mentira! O que Cristo ensina é que existe apenas dois destinos: céu ou inferno. Não existe um purgatório.
 
Mas cumpre notar: Francisco não corrigiu nenhum destes erros doutrinários, não citou qualquer referência bíblica ou condenou qualquer prática.
 
Encerro asseverando a máxima: “Todo cristão deve ser conservador e radical, conservador na preservação da fé e radical na sua aplicação – John Stott”.
 
Tenho Dito.