Defesa do Evangelho busca a prática sincera dos verdadeiros ensinos do SENHOR JESUS CRISTO. “...Sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda” (Filipenses 1.17-18). Participe dessa Defesa! Deixe o seu comentário ao final do artigo ou escreva para o nosso email: adielteofilo7@gmail.com

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

EVANGELHO DAS PERIGUETES

Email de uma Defensora do Evangelho

Boa noite!
Gostei bastante do seu artigo Evangelho das Periguetes, mas fiquei com algumas dúvidas e gostaria de esclarecê-las.
Eu sempre parti do raciocínio de que o problema não é usar calça ou saia, e sim a maneira como se usa tais peças, pois do que adianta usar uma saia e ela ser transparente, por exemplo, como acontece com frequência em nossa igreja.
Além de pensar também que a proibição do uso de calça por algumas igrejas é mero uso e costume. Então gostaria de perguntar se no trecho em que você fala sobre traje diferente entre homem mulher, esta condenando o uso da calça?
Penso também a respeito da cultura, como por exemplo, é comum os homens na Escócia usarem uma espécie de saia.
Aguardo seus comentários (que a propósito eu amo).
Abraço.
Mery Hellen

Resposta do Blog Defesa do Evangelho:

Querida Irmã Mery Hellen.
Muito obrigado por ler o nosso artigo.
A respeito das suas indagações, são pertinentes e vamos tentar elucidá-las.
As culturas são de fato diferentes e seria uma agressão impor o costume de um povo a outro. Não podemos trazer os costumes dos tempos bíblicos para os nossos dias. No entanto, há princípios da Palavra de Deus que são imutáveis e transcendem culturas, costumes, povos e tradições.
Desse modo, as diferenças de cada povo não podem suplantar ou suprimir os princípios contidos nas Escrituras. Até porque, estaríamos diminuindo o valor da Palavra de Deus diante das diferenças culturais. Um dos princípios abordados no artigo é de que Deus condena a sensualidade e a lascívia.
A par disso, o entendimento sobre o tipo de roupa que se usa deve ir além da simples intenção pessoal e alcançar o conjunto da sociedade em que se vive. Ninguém usa uma roupa apenas para si mesmo, mas também para evitar a cobiça e a lascívia visual alheia.
E aqui está o cerne da questão!
Não basta pensar que o problema está apenas na maneira como se usa uma roupa. Pensar apenas na sua intenção. É necessário refletir, como cristão, acerca da imagem que o seu corpo irá produzir na mente das pessoas.
O uso de roupas foi instituído por Deus justamente para quebrar a sensualidade. No entanto, as roupas em geral podem ser sensuais se forem curtas, justas, transparentes, decotadas, coladas ao corpo e com outros detalhes provocantes. Algumas reúnem mais outras menos dessas características e há roupas que são extremamente sensuais, não sendo possível esconder isso, por melhor que seja a intenção de quem usa. Cabe o bom senso e o discernimento de quem se veste com determinada roupa.

Sabemos que o homem é bastante atraído sexualmente pelo que vê. O diabo, sabendo disso, tem explorado ao máximo o uso de roupas sensuais. A calça, além de não ser originalmente roupa feminina, mostra muito os detalhes da anatomia, expondo curvas, formas e volumes, enfim a sensualidade. As mulheres estão se nivelando por baixo, expondo demais o corpo e dizem que não se sentem sensuais ou provocantes, tentando enganar a si mesmas sob o pretexto de se sentirem mais atraentes.

Afirmam ainda que o problema está na cabeça de quem olha! E está mesmo! É possível crer que alguém até se veste pensando em ficar bonita apenas, elegante, na moda. Mas, conforme a roupa, torna-se objeto ambulante de sensualidade, instigando a lascívia alheia. Muitos homens, inclusive crentes, não conseguem vencer a lascívia visual e consequentemente não vivem em santificação. Aqueles que não temem a Deus e vivem sob o domínio da carne olham, cobiçam e comentam abertamente sobre o corpo das mulheres.
A paixão sexual tem se tornado a base de muitos relacionamentos. Há mulheres que são escolhidas pela sensualidade e beleza do corpo, não pelos valores do caráter e propósitos de vida. Estão se tornando objeto do desejo e da cobiça alheia, simples meio de satisfação do prazer e da luxúria. É a coisificação da mulher! É assim como muitos olham para as mulheres! Não querem compromisso! Não respeitam! Não valorizam! Usam e descartam! Infelizmente...
E o espírito maligno que opera no mundo tem disseminado a ideia de que qualquer roupa serve e que calça para mulher não é sensual. Engano! Observe o comportamento de muitos homens em público! Causa até constrangimento... Você não gostaria de ver o seu esposo "comer uma mulher com os olhos" e no coração adulterar com ela! Ele também não gostaria que alguém "comesse você com os olhos"! Olhasse para você como um mero objeto de desejo sexual! Assim, quando cobrimos o nosso corpo para não expor a sensualidade, deixamos de cometer não apenas esse pecado, mas também contribuímos para que outros não pequem ao olhar para nós.
Portanto, não basta pensar somente em você, se você se acha ou não sensual quando veste uma roupa. É necessário pensar sobre o modo em que os homens irão enxergar você. Não pense que todos os homens olham para uma mulher de calça justa ou bermuda curta e raciocinam assim: Que cor linda essa roupa! Que modelo bonito! Certamente que muitos ímpios vão olhar para além da calça com visão de raio-x, cada detalhe, volume, forma, contorno, proporção... e ainda vão fazer comentários indiscretos ou até indecorosos.
Ao longo de mais de trinta anos de serviço público convivi com vários colegas de trabalho não crentes, além de pessoas do público, presenciando muito esse tipo de comportamento. Até determinados crentes agem desse modo e tentam disfarçar! Podem até não confessar, mas o coração está carregado de adultério!
Por tudo isso, penso que proibir o uso de determinadas roupas é muito pobre espiritualmente. É necessário fazer o cristão compreender o mundo espiritual em que vive e as influências malignas e carnais que atuam sobre as pessoas na sociedade. Certas influências são imperceptíveis para a pessoa comum, porque é necessário discernimento espiritual para entender essas forças que atuam no mundo. A visão e o pensamento são muito rápidos. Ou se vigia a todo tempo para não pecar, ou se acostuma com tudo isso e acha normal viver no pecado da lascívia visual.
Cobiçando ou sendo objeto da cobiça sexual alheia!
A decisão é sua!